Taquari, 19 de Agosto de 2018
NOTÍCIAS
06/04/2018
Isev não tem cumprido integralmente serviços contratados pela Prefeitura

O Instituto de Saúde e Educação Vida (Isev), que administra o hospital de Taquari desde 2009, não está cumprindo integralmente os serviços estipulados no contrato de comodato com a Prefeitura, proprietária do prédio. Segundo informou a Administração Municipal, há problemas em relação aos atendimentos de endoscopia e sobreaviso obstétrico e pediátrico.
No mês de março, das 20 endoscopias contratadas, somente duas foram realizadas. O sobreaviso pediátrico, que deveria ocorrer por 30 dias, durante 24 horas por dia, está sendo realizado em apenas dez dias do mês. Já o sobreaviso obstétrico, que também deveria ser de 30 dias, ocorreu em 25 dias e 7h durante o mês de março. “Inúmeras notificações e cobranças já foram realizadas pela administração municipal para a solução destes problemas. A maioria deles ainda não foi resolvida”, informou a Prefeitura. Em função disso, parte do valor que o Município destina à instituição não tem sido repassada. “Mensalmente, tem-se retido valores dos serviços não prestados para a regularização da situação”, salientou.
Para a Administração Municipal, há deficiência na prestação de serviços do Isev, em função do não cumprimento de todo o contrato. “Evidentemente que a política de centralização regional promovida pelo Governo do Estado tem colaborado para retirar serviços do hospital local, mas a não prestação dos serviços contratados também é grave, especialmente após as inúmeras notificações, reuniões e cobranças. A equipe técnica disponível no Isev é de excelência e reconhecida por todos os profissionais médicos que por ali já passaram. Mas ao não realizar os serviços que são contratados, a instituição não cumpre na integralidade a sua função”, considerou a Prefeitura. De acordo com a Administração, são realizadas reuniões frequentes entre o Executivo e o Isev, para cobrar e auxiliar a instituição a retormar a totalidade do potencial do hospital de Taquari. Ainda segundo a Administração Municipal, a auditoria que está sendo feita em relação às contas da casa de sáude ainda não pôde ser concluída. “Em que pese as notificações apresentadas, o Isev não forneceu ao município os documentos contábeis e financeiros para análise, conforme solicitado”.
 
Instituição diz que não tem encontrado médicos para realizar os sobreavisos
 
O coordenador regional do Isev, Fabiano Voltz, admitiu a falta de cumprimento da integralidade dos serviços. Segundo ele, a redução dos atendimentos em endoscopia ocorreu em função de defeitos no equipamento que realiza o exame, que precisou de mais de 30 dias para ser consertado. Além disso, havia atraso no pagamento do médico, o que já teria sido negociado com o profissional. “Esse quantitativo que a gente não fez durante um período vai ser compensado nos próximos meses”, diz o coordenador. Em relação ao sobreaviso pediátrico, segundo o Isev, há apenas um profissional do município interessado em prestar o serviço e que só pode realizá-lo durante dez dias. “A gente não consegue fechar a escala. Quando se precisa do serviço, liga para as outras pediatras do município e paga consulta particular por esse suporte. Então não quer dizer que nos outros dias fiquem sem o serviço”, explica Fabiano. Sobre o sobreaviso obstétrico, o Isev diz que o médico que presta o atendimento tem apenas um final de semana de folga por mês e que não há outros profissionais interessados em cobrir estes dias no município. “Eles dizem que não compensa vir para o município para sobreaviso, por não tem local de referência, nem residência, nem consultório, só se fosse em regime de plantão, mas o valor praticamente dobra e nós não temos como arcar com isso”.
Segundo Fabiano, estão sendo procuradas diversas alternativas para retomar os atendimentos no hospital e atrair mais pacientes à instituição, já que a demanda diminuiu em mais de 50% após a perda das especialidades. Uma das alternativas buscadas são pacotes sociais, com cirurgias e atendimentos particulares, mas de baixo custo. Também foram demitidos 12 funcionários para reajustar o quadro de servidores à realidade da instituição. “Estamos buscando diversas alternativas. Nossa ideia é que o hospital volte a ter movimento e internações em números mais significativos para que a gente possa reagir ao cenário que nos foi estabelecido com a perda das referências”.
Em relação à auditoria das contas, que está sendo realizada pela Prefeitura, o Isev diz que está providenciando todos os documentos solicitados pela Administração Municipal. De acordo com Fabiano, a instituição tem a intenção de continuar prestando o serviço em Taquari e renovar o contrato, que vence em outubro de 2019. “Volta e meia surgem boatos de que o Isev vai deixar a administração, vai sair, mas esse não é nosso interesse. A gente pede que as pessoas continuem confiando na instituição porque não estamos medindo esforços para reverter esse cenário”, garante o coordenador regional do Isev.

 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por