Taquari, 12 de Dezembro de 2017
NOTÍCIAS
17/11/2017
MISTURA FINA: Milionário e Marciano são a atração principal do 26º Natal Açoriano

Na tarde de ontem, o prefeito Maneco confirmou a assinatura de contrato entre a Administração Municipal e a dupla sertaneja Milionário e Marciano. Os dois fazem o show principal do 26º Natal Açoriano em Terra Gaúcha, no domingo, 17 de dezembro.
Segundo Maneco, a atração custará cerca de R$ 75 mil. O show será patrocinado pela
Corsan e Governo do Estado, Sicredi, Adama e Certaja/Sescoop. 
Há mais de 45 anos nos palcos, Milionário e Marciano têm grande bagagem na música sertaneja, desde a época em que o gênero era considerado “caipira”. Milionário fazia dupla de sucesso com José Rico, que faleceu em 2015. Já Marciano apresentava-se com João Mineiro, que morreu em 2012. Com a partida dos companheiros, surgiu o projeto Lendas, idealizado pela dupla sertaneja Fernando e Sorocaba. Através do projeto, uniram-se as vozes de Milionário e Marciano, durante a produção de um DVD, em São Paulo, no ano de 2015. O repertório contou com 16 canções intercalando sucesso das duplas Milionário e José Rico e João Mineiro e Marciano e uma canção inédita intitulada “Localizador”.
O CD e o DVD foram lançados pela FS Music em abril de 2016. A dupla ficou entre os cinco artistas que mais venderam discos no país neste ano e estão percorrendo o Brasil com um espetáculo que alia música e a arte circense. O circo ganhou lugar no espetáculo já que, quando começaram a carreira, há mais de 45 anos, os artistas de música caipira não tinham espaço nos teatros, onde o território era marcado por canções clássicas. Sem perspectiva para entrar neste cenário, os cantores sertanejos encontravam no circo palcos propícios para seus shows, intercalando música com apresentações circenses. “Voltar aos palcos é um desafio diário. Estou com a sensação de recomeço, ainda sinto aquele frio na barriga como há 45 anos”, declara Milionário, através de sua assessoria de imprensa. “Reencontrar nossos fãs e dividir o palco com um ídolo é uma sensação indescritível. Me sinto jovem novamente”, completa Marciano.
 
Saiba mais
 
Milionário - Romeu Januário de Matos nasceu em 1940 em Monte Santo de Minas, Minas Gerais. Sua mãe tinha uma escola musical e foi ali que ele aprendeu a cantar. Cantor desde criança, teve diversas duplas antes de conhecer José Rico, em 1973, em São Paulo. Surgiu então “Os Gargantas De Ouro”, dupla que se consagrou com o sertanejo romântico. Foram 44 anos de parceria com José Rico e mais de 35 milhões de exemplares em 29 discos.  O mais famoso sucesso e que deu nome ao LP “Estrada da Vida” chegou a vender mais de dois milhões de cópias e rendeu até um filme e turnê internacional na China, em 85. Eles sempre lotavam os shows e chegaram a tocar para um público de 180.000 pessoas. 
 
Marciano - José Marciano nasceu em 1951 na cidade de Bauru, interior de São Paulo. Começou a sua carreira musical ainda criança cantando com o seu pai e hoje já são quase 50 anos de carreira. Dono de uma voz inconfundível, ficou conhecido como “O inimitável” por conta de sua parceria com João Mineiro. A dupla João Mineiro & Marciano foi, junto com Milionário & José Rico, uma das precursoras do sertanejo romântico. Além disso, Marciano é reconhecido por ser um compositor de muito talento. Sucessos como “Fio de Cabelo”, “Crises de Amor” e “Paredes Azuis” são de sua autoria.  Os artistas venderam mais de 12 milhões de cópias, sendo 10 discos de ouro, cinco de platina e dois de platina duplo. Realizaram shows por todo o país, além de turnê internacional nos Estados Unidos. Em 1993, Marciano resolveu seguir carreira solo, onde permaneceu por mais de 20 anos viajando o mundo inteiro com seus sucessos.
 
Confira o restante da programação
 
Quinta-feira, 7 de dezembro
21h - Abertura com a procissão luminosa e acendimento das luzes de natal
 
Sábado, 9 de dezembro
20h - Noite Gospel
 
Domingo, 10 de dezembro
8h - 1°Expofest Cars
14h - Evento das Emeis e chegada do Papai Noel
 
Segunda-feira, 11 de dezembro
20h - Noite das Emefs
 
Terça-feira, 12 de dezembro
20h - Noite das bandas de Taquari
 
Quarta-feira, 13 de dezembro
21h - Apresentação de peça teatral Centro de Ensino Médio Pastor Dohms
 
Sexta-feira, 15 de dezembro
20h - Noite tradicionalista
 
Domingo, 17 de dezembro
Manhã - 2° Rústica de Taquari
12h - 9º Encontro dos Motoristas
21h - Show pirotécnico e show com Milionário e Marciano
 
Não tem sentido
 
Durante a audiência pública que debateu a segurança em Taquari, o presidente do Grupo de Apoio à Polícia (GAP), Antônio Leandro Medeiros, afirmou que o grupo não recebe ajuda do município. Aí fica a pergunta: o GAP não é uma entidade privada que foi criada justamente para auxiliar o poder público? Nesse caso, por que o setor público tem que aportar recursos para o GAP? Não tem sentido criar uma entidade privada de apoio se ela espera que o poder público envie recursos.
 
Pagou para ter iluminação pública
 
O morador de Amoras, Ivan Cássio Santos, 69 anos, contou ao Mistura Fina que teve que gastar R$ 113 para ter iluminação pública, em frente a sua residência, na RSC-287. Segundo o motorista aposentado, há sete meses não havia iluminação no local. Santos contou que procurou a Prefeitura diversas vezes e protocolou muitos pedidos de melhoria da situação, mas que nunca foram atendidos. “Gastei R$ 80 com a lâmpada e comprei mais a fotocélula. Tudo deu R$ 113. E a gente paga a iluminação pública na conta de luz. É um absurdo”, considerou.
O Mistura Fina solicitou contraponto para a Prefeitura, mas, até o fechamento desta edição, a Administração não se manifestou sobre o caso.
 
Agricultor denuncia utilização de veneno em cemitério
 
O aposentado e agricultor, Amaro da Costa, procurou o Mistura Fina para relatar que, há cerca de três semanas, flagrou funcionários da Administração Municipal utilizando o veneno Rondape entre as sepulturas do Cemitério dos Almeida. Para Amaro, a utilização do veneno é proibida e prejudica o meio-ambiente. “Geralmente quando se utiliza o Rondape depois se prepara a terra, coloca adubo de novo, mas mesmo assim não é certo. O certo é capinar, lavrar. Aqui no cemitério só vão colocando o veneno, vem o brejo e vão colocando. O solo vira um areião”, disse.
Para o agricultor, a areia que passa a compor o solo pode prejudicar a estrutura das sepulturas. Amaro acredita que a Prefeitura deva mudar o método de limpeza do cemitério. “Me disseram que colocam em roda das lápides porque não tem como roçar. Mas então que não coloque, deixa criar o brejo e cada um que vá se responsabilizar pela sepultura de seus familiares. Eu não acho que a Prefeitura deve roçar, acho que a população deve se reponsabilizar pelas lápides”, considerou.
O Mistura Fina solicitou posicionamento da Prefeitura em relação ao caso. Até o fechamento desta edição, a Administração não enviou resposta sobre o assunto.
 
 
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por