Taquari, 12 de Dezembro de 2017
NOTÍCIAS
17/11/2017
Feriado do que, mesmo?

“O Brasil tem um grande 
passado pela frente” 
Millôr Fernandes
 
Tente explicar para os jovens o feriado de 15 de Novembro, Proclamação da República. Quem liga pra isso, num momento em que o Brasil está tão em baixa, tão desmoralizado?
Não resolvemos os problemas do passado – e não estamos falando de ditadura militar: o Brasil ainda não resolveu seus vícios de colônia. Nosso território foi ocupado no modelo Capitanias Hereditárias e nos últimos 500 anos apenas trocamos de donos. A cultura das concessões feitas pelo Reino aos amigos se enraizou por 400 anos, desde 1500, até o advento da República em 1889, vésperas de 1900.
Inaugurada há pouco mais de 100 anos, a República ainda não impôs em nossa cultura política o espírito da “res publica”, que deveria significar o governo em prol da “coisa pública”. O governo deveria servir ao Estado e este, servir à sociedade. Mas vemos o contrário, os governantes se apropriando do Estado para suas negociatas e o Estado sugando a sociedade.
Deveriam nossas riquezas, nosso vasto patrimônio natural, ser geridos em prol da sociedade, por governos que tivessem um “Projeto de País”, ao invés de um projeto de poder. Aqui temos um capitalismo dependente do Estado e não foi a JBS quem inventou isso, ela apenas seguiu uma tradição colonial. Pior que a dependência, talvez até que a corrupção, é o imediatismo, a falta de visão, de projeto. Um projeto de Brasil que inclua sustentabilidade econômica, social e ambiental.
Há décadas se diz, aqui e no mundo, que o Brasil é “o país do futuro”; quando se começou a dizer isso a Coreia do Sul era um país do terceiro mundo igual a nós. Hoje a Coreia tem a Hyundai e a Samsung, e nós, brasileiros, seguimos com uma economia dependente de “commodities”, produtos primários, que outros países industrializam e nos revendem, como é o caso dos minérios para a indústria asiática, europeia, norte-americana. Não temos “valor agregado” nos nossos produtos, falta evolução tecnológica, mudança de perfil, que requer planejamento, visão estratégica. Que o espírito de República nos inspire, para irmos adiante.
 
Montserrat Martins
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por