Taquari, 18 de Novembro de 2017
NOTÍCIAS
10/11/2017
PubliCIDADE: A metáfora do produtor de milho

Hoje recebi um vídeo via celular que ilustrava a história de uma entrevista com um grande produtor de milho. Ele produzia as melhores espigas de milho do estado dele. Questionado sobre como ele conseguia aquela qualidade, ele disse que compartilhava as sementes boas com seus vizinhos.  O entrevistador não entendeu, e perguntava o porquê de oferecer sementes a seus concorrentes, quando o entrevistado respondeu: o vento ajuda a polinizar a plantação. Eu nunca terei uma produção de qualidade se meus vizinhos não tiverem.
O que a metáfora do produtor quer dizer é que não conseguiremos estar plenamente felizes se na nossa volta os outros não estiverem bem também. Você pode ser uma pessoa de sucesso, mas se sua família ou amigos tiverem problemas, sua felicidade não será plena.
Não adianta termos uma felicidade egoísta. E não quero dizer que você terá que fazer esforços pela felicidade alheia! Não, isso não existe. O que a metáfora diz é que não adianta ser egoísta e pensar apenas no seu benefício, pois quando pensamos no todo fica muito mais fácil.
Não é à toa que o vídeo relata uma situação do mundo dos negócios, pois sempre que se fala em sucesso ou dinheiro, fica ainda mais difícil ceder ou dividir. Vamos levar a metáfora para a nossa realidade:
Se conseguirmos, no nosso trabalho, produzir de forma que ajude o colega a produzir melhor, todos ganham. Se quando eu sinto calor ou frio, eu perguntar ao meu colega a sua opinião antes de ligar o ar condicionado, os dois trabalharão melhor e o sucesso virá aos dois.
Se eu conseguir, na minha atividade, entregar meu trabalho de uma forma que facilite o trabalho do meu colega, ganha toda a equipe. E se eu conseguir entender, que naquele dia meu colega não está bem e que por isso está tomando algumas atitudes inadequadas, eu evitarei atritos e todos ganharão.
Se, enquanto empresários, conseguirmos trabalhar fortalecendo uma concorrência saudável, todos ganham também. O “milho” fica mais valorizado e de qualidade. Todos venderão bem e a sociedade terá um produto de melhor qualidade, contribuindo, inclusive, com o desenvolvimento local.
 
Daphne Becker

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por