Taquari, 14 de Dezembro de 2017
NOTÍCIAS
06/10/2017
MISTURA FINA: Tudo culpa do Estado

Quem acompanha as reportagens de O Fato Novo já deve ter percebido que em muitas matérias do jornal em que é solicitado um posicionamento da Prefeitura, a Administração Municipal e o prefeito Maneco têm mencionado uma dívida de R$ 1,2 milhão do Governo do Estado com a secretaria municipal da Saúde.
O débito é citado em diversas situações, que, na maioria, não se referem a assuntos ligados à Saúde. A dívida do Estado com o município já foi mencionada pela Administração em reclamações referentes a condições de ruas, problemas de esgoto, falta de iluminação pública, assuntos relacionados à agricultura, consulta popular, trânsito, entre outros.
Nesta semana, o Mistura Fina questionou o prefeito sobre o motivo desta resposta ser tão utilizada pela Administração. Segundo Maneco, isto é para que as pessoas vejam o caos que a esta dívida tem causado nas finanças municipais. “A gente tem que se equilibrar todo dia para poder administrar. Eu não posso mentir para as pessoas. As pessoas têm que saber de quem é a responsabilidade. Não é justo que eu diga para as pessoas que isentem o Governo do Estado e o Governo Federal, e a Prefeitura fique com toda a responsabilidade, que neste caso não é nossa”, disse Maneco.
De acordo com o Prefeito, o atraso nestes repasses tem causado sérias dificuldades ao município. Isto porque a Administração Municipal precisa utilizar os recursos do caixa livre da Prefeitura para custear programas, exames, remédios, transporte, entre outros serviços, que deveriam ser pagos através dos repasses do Governo Estadual. “Nós temos que tirar do livre e colocar na Saúde para poder manter o número de carros que estão viajando, para poder manter minimamente os remédios e os exames, enfim, todo o conjunto da Saúde. Então, acaba diminuindo o dinheiro das máquinas da Obras que estão em funcionamento, diminuem os recursos para a colocação dos canos, é um caos completo na verdade”, falou o Prefeito. Segundo Maneco, o Estado deve cerca de quatro meses de repasses da Saúde ao município.
Em agosto deste ano, a Prefeitura obteve, na Justiça, um mandado de segurança que determina ao Governo do Estado a regularização dos repasses na área da Saúde com a Prefeitura de Taquari. De acordo com o Prefeito Maneco, mesmo com a decisão do Poder Judiciário, o município não poderá contar com os recursos estaduais neste mês de outubro. Isto porque na última quarta-feira, o Governo do Estado anunciou que não realizará os repasses da Saúde para todos os hospitais e municípios do Rio Grande do Sul, inclusive para os que têm decisão judicial, como é o caso de Taquari. Até a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) manifestou nota de repúdio a este anúncio feito pela secretária estadual da Saúde.
O Mistura Fina entrou em contato com o Governo do Estado, através da assessoria de imprensa da secretaria estadual da Saúde, para confirmar o atraso nos repasses e saber se há uma previsão de atualização destes recursos. Até a conclusão desta edição, o governo estadual ainda não havia se manifestado sobre o assunto.
 
Mariante manifesta-se sobre atropelamento de cão
 
Nesta semana, circulou pela rede social Facebook um video em que mostra o atropelamento de um cão no bairro Prado. Nas imagens, após um Ford Focus prata passar pela Rua Pontes Filho, aparece um cachorro deitado ao chão. O veículo segue pela via. Após notar a situação, um comerciante local corre para tentar socorrer o animal, que já estava morto. As imagens foram gravadas pela Câmara de Vigilância do estabelecimento.
Junto à publicação do video, está um texto em que dá a entender que o motorista do veículo que atropelou o cão era o vereador Leandro Mariante (PT), que reside nas proximidades do local do atropelamento. O vereador foi acusado de não prestar socorro ao cão. O vídeo, publicado na última terça-feira, teve mais de duas mil visualizações no Facebook, além de ter sido compartilhado dezenas de vezes. Além disso, um vereador porto-alegrense gravou um vídeo criticando a atitude de Mariante. Centenas de comentários críticos e até ofensivos foram disparados contra o vereador taquariense.
Ontem, o Mistura Fina procurou Mariante para falar do caso. Ele disse que está duplamente chateado com o acontecimento. “Primeiro, porque o cachorro era do bairro, ele é solto, ia lá em casa, comia lá em casa, conviviva com os meus filhos e isso me acarretou problemas também. Meu filho ficou muito triste, chorou e ficou sentido com o acontecido. E outra, porque eu estava no meu carro que é alto, com o rádio ligado, o ar ligado e os vidros fechados. Não teve trepidação, o cachorrinho era pequeno. Eu não vi, foi um acidente, eu jamais faria uma crueldade contra qualquer animal”, disse o vereador.
Mariante contou que o acidente aconteceu por volta das 13h, quando se dirigia à escola do bairro, onde trabalha. Segundo ele, ficou sabendo do atropelamento por volta das 15h, quando assistiu ao vídeo que já circulava pelas redes sociais. “O meu vizinho não me procurou, poderia ter me procurado, sem problema nenhum, mas simplesmente divulgou o vídeo na rede social, não sei com qual intuito, e isto me prejudicou bastante. Porque hoje as pessoas utilizam a rede social como tribunal e me julgaram e me condenaram, sem nem saber do fato. Eu acho que houve um oportunismo nesta situação”, desbafou.
O vereador conta que ele e sua família estão sofrendo com os comentários disparados contra eles em relação ao fato. “Um fato é o acidente, outra coisa, os comentários que muitas pessoas fizeram que não têm nada a ver com o acidente, ofendendo a minha moral, ofendendo a minha família, meu pai, minha mãe, meu filho, além dos olhares na rua por um fato que eu tenho culpa, mas não tenho responsabilidade. Foi um acidente”, relatou. O vereador disse que tomará as medidas cabíveis contra as pessoas que fizeram os comentários ofensivos nas redes sociais.
Segundo Mariante, dezenas de pessoas também lhe ligaram se sensibilizando com a situação e se solidarizando com ele. “É uma coisa que a gente não quer, mas acontece. Já aconteceu com um, com outro, mas eu acho que houve oportunismo para cima de mim”, disse.
O vereador relatou que tem quatro cães de rua adotados e nunca utilizou isto para se promover. “Eu faço no anonimato, mas vivemos na era dos oportunistas. Tem muitas pessoas que utilizam os animais para se promover. Eu não preciso ir para o Facebook dizer que peguei quatro cachorros para criar. Eu acho que quem gosta dos animais, faz porque acha que tem que ser feito e não para se promover. Eu estou muito chateado com o acontecido”.
 
Maneco foi a Brasília
 
Entre segunda e quarta-feira, o prefeito Maneco esteve em Brasilia buscando a liberação de recursos para obras no município. Entre as pautas, estavam os pacotes de calçamentos de ruas no Prado e Leo Alvim Faller, além de ampliações nas escolas municipiais Timótheo Junqueira dos Santos e Emílio Schenk. Segundo Maneco, as obras de pavimentação estão paradas por atrasos na liberação dos recursos. Já em relação às escolas, os recursos para ampliações estariam garanitidos, mas ainda não foram liberados. Na Timótheo Junqueira dos Santos, deve ser feita ampliação em salas de aula, cozinha e biblioteca. Na Emílio Schenk, devem ser construídas mais salas de aulas.
 
Homem estaria furtando na creche do Parque do Meio
 
Ao meio-dia da última segunda-feira, moradores do Parque do Meio acionaram a Brigada Militar porque um homem estaria com uma pá, na obra de construção de uma creche no bairro Parque do Meio, cavando buracos para furtar fios que passam por debaixo da terra. Quando a viatura chegou ao local, o homem deixou a construção.
De acordo com o boletim de ocorrência, o suspeito D.W. da R., de 26 anos, estava com as mãos sujas de terra. Próximo ao lugar em que ele estava, havia uma pá e um pedaço de cabo de aço. O homem foi levado à Delegacia de Polícia, onde foi lavrado um Termo Circunstaciado. Após, o suspeito foi liberado, mas ainda responderá ao TC.
A obra na creche do Parque do Meio está parada desde 2016. A construção iniciou em 2014, mas a empresa responsável, a MVC Soluções em Plástico, do Paraná, abandou a construção, alegando problemas financeiros. A Prefeitura tenta resolver a situação, junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Fundeb), responsável pela licitação em que a empresa paranaense foi a vencedora.
 
 

 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por