Taquari, 18 de Dezembro de 2017
NOTÍCIAS
04/08/2017
Tropa de cheque

O trocadilho é do José Simão, todo governo tem “tropa de choque” no Congresso, mas com Temer ficou explícita a “tropa de cheque”. Um desses deputados disse para outro, segundo o noticiário, que “até a eleição o povo esquece”. E olha que falta só um ano para as eleições de 2018.
O Presidente aumentou impostos sobre combustíveis para gerar receita comparável aos bilhões que liberou em emendas para os parlamentares, às vésperas do seu julgamento no Congresso. Sendo quase explícita a correlação entre os dois fatos, significa que ele não se importa com a opinião de mais de 200 milhões de pessoas, só com os 500 e poucos congressistas.
Com tanta roubalheira, ainda existe indignação ou as pessoas já se acostumaram a pensar que “é assim mesmo”? Na guerra ideológica nas redes sociais, “direita” e “esquerda” disputam quem rouba mais. Uma guerra burra porque o roubo não tem ideologia, assim como o caráter também não tem a ver com posição política.
Há pessoas honestas, como há desonestas, em todos os partidos. Nos bastidores da política gaúcha, alguns líderes são reconhecidos por sua lisura, como por exemplo Pedro Simon do PMDB, Olívio Dutra do PT, Vieira da Cunha do PDT, Pedro Ruas do Psol, para citar alguns de legendas tradicionais. Se é possível ter uma história política honrada, porque os desonrados estão em franca maioria?
“Até lá o povo esquece” é uma explicação. Achar que “todo mundo é igual” é outra, pois a maioria não tem acesso à vida pessoal e aos bastidores da política, para saber quem é sério e quem não é. Nos últimos anos, aumentou muito o interesse pela política, mas ainda não se igualou à paixão pelo futebol. Os times que fracassam nos campeonatos sofrem pressões muito piores, ainda, do que a dos políticos.
“O respeito vem do medo”, diz um antigo ditado popular. Um jogador do Corínthians que decepcionasse sua torcida teria sérios problemas para sair em público, nos times com torcida mais apaixonada os jogadores tem medo de sofrer represálias se decepcionarem o povo. Comparados a eles, os políticos ainda têm vida frouxa, com algumas possíveis exceções.
“Não dá nada”, frase típica de adolescentes infratores, ainda é o raciocínio da maioria da classe política. Já houve ameaças até contra a vida de jogadores de futebol, treinadores e dirigentes, mas não se sabe de políticos que corressem risco por conta da indignação de populares. A gasolina subiu quase 50 centavos por litro e não fizemos nada. Ouvimos no noticiário sobre a mala com 500 mil reais por semana para o Presidente e não fizemos nada. Ah se o time de futebol perde, vai ter pressão na saída do estádio, confusão. O respeito vem do medo, mas eles não têm medo.
 
Montserrat Martins
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por