Taquari, 21 de Outubro de 2017
NOTÍCIAS
04/08/2017
Há regras para uso de redes sociais

Quantos bom-dia e boa-noite você recebe por semana nos grupos de Whats App? Quantas mensagens chegam em horários indesejados? Quantas pessoas insistem em uma resposta quando você não pode enviar? Essas são algumas situações que envolvem o dia a dia das pessoas que utilizam aplicativos criados para melhorar a comunicação, mas em muitas vezes são utilizados com exagero. 
Para uso das ferramentas de comunicação sem causar antipatia existem regras, como explica a orientadora Educacional e Facilitadora de Tecnologia da Informação (TI) do Senac de Lajeado, Keila Suniê Azambuja. “Devem ser respeitadas como as regras de etiqueta que usamos no dia a dia. O crescente uso da tecnologia e das redes sociais facilita as nossas vidas mas não é por isso que podemos usar e abusar. Precisamos sempre lembrar que, do outro lado da tela, tem uma outra pessoa e ela não está ali 24 horas a nossa disposição. Muitas pessoas não podem acessar o celular no horário de expediente e muitas só conseguem um tempo para responder no final do dia”, destaca. “Acredito que o segredo seja a paciência em esperar pela resposta, mas lembrando que, quando o assunto é urgente, vale uma ligação”.
Portanto, é preciso respeitar os horários, principalmente quando se refere a contatos de trabalho ou comerciais, valendo ainda para os finais de semana. “Claro que existem situações que a pessoa irá responder ou simplesmente visualizar e responder no próximo horário disponível no trabalho, cabe a nós o bom senso no momento da mensagem e a espera pela resposta”. No caso das mensagens de bom-dia ou boa-noite, ela diz: “Há pouco tempo, antes das redes sociais, ninguém ligava para você após as 22 horas para desejar “boa-noite” ou as 6 horas da manhã para dar “bom-dia”, mas hoje isso é muito comum, principalmente nos grupos de amigos e família. Devemos ter o máximo de cuidado com o horário, pois dependendo do grupo de pessoas a hora de dormir e acordar tem uma grande variação; e outra dica bem importante é que essas mensagens acabam lotando a memória do celular, então vale a pena não abusar dessas mensagens com imagens e vídeos, até para que você não saia como o chato do grupo. O tema para o qual cada grupo foi criado também deve ser respeitado. “Nada de ficar mandando correntes, a mesma imagem para todos os grupos, postando mil vezes o mesmo produto para vender ou enchendo de fotos todos os contatos. E quando isso estiver acontecendo com os seus contatos,  podemos avisar sobre a dinâmica do grupo ou simplesmente sair do grupo ou bloquear aquele contato”.
 
Cuidado com o que posta no Facebook
 
Uma conta em uma rede social é algo público e poderá ser visualizada por milhares de pessoas. Postagens de fotos, opiniões, presença em eventos, check-in ou compartilhamentos seguem o mesmo caminho. “Elas são como um cartão de visita virtual sobre a sua vida e a sua personalidade. Tudo isso vale quando você conhece bem a sua rede de contatos e usa as configurações de privacidade de forma correta”.
Por isso, é necessário cuidado com o que postar. A orientadora educacional salienta que uma forma bem interessante de definir para não haver problema, principalmente quando for para expressar uma opinião ou relatar um fato, é fazer para si perguntas como: “Eu realmente devo postar esse assunto na rede social?”, “Estou me expressando da maneira correta?”,”Alguém poderá se ofender com a minha postagem?”, “Eu vou me sentir bem após essa publicação? “Quem ler irá se sentir bem?”
Isto também é importante porque o Facebook revela muito sobre as pessoas e a maioria das empresas, ao receber um currículo, faz a consulta nas redes sociais Facebook, Linkedin, Instagram, Twitter. “São nas pequenas ações, postagens, curtidas que acabamos revelando a nossa personalidade, portanto é indispensável que estejamos atentos a toda a nossa vida na rede social, pois tudo que fizemos pode ser visto, tanto o positivo como o negativo”, ressalta. 
Postagens que falam mal de empresas nas quais se trabalhou, de colegas de trabalho e superiores pode tirar candidatos de vagas de emprego. “Nesse tipo de postagem, a pessoa acaba demostrando a sua falta de ética e profissionalismo”, afirma. Outras bem comuns, do tipo “Chega Sexta-Feira”, “Eu odeio a segunda-feira!”, “Vem final de semana” podem demonstrar a qualquer recrutador que a pessoa não gosta muito de trabalhar ou não está satisfeito com o seu trabalho. “As redes sociais são como um cartão de visita virtual sobre a sua vida e a sua personalidade”, diz. 
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por