Taquari, 21 de Outubro de 2017
NOTÍCIAS
28/07/2017
Taquariense se torna novo patrono da Academia Literária do Vale do Taquari

Na noite da última terça-feira (25), Dia do Escritor, a Academia Literária do Vale do Taquari (Alivat) realizou solenidade de posse de dez escritores como acadêmicos. O evento aconteceu no Teatro do Colégio Evangélico Alberto Torres (Ceat) de Lajeado.
Além disso, foram oficializados os nomes de dez novos patronos da entidade, escolhidos entre escritores falecidos com notória atuação no Vale do Taquari não só na literatura, mas também pelo envolvimento e participação na região, no Estado e no país. 
“O acadêmico é passageiro, ele pode sair. O patrono é vitalício, ou seja, permanente. E a academia busca imortalizar estes escritores falecidos, resgatar a história e o legado deles”, explicou o presidente da Alivat, Deolí Gräff, em entrevista a O Fato Novo.
E, em uma lista de mais de 170 escritores falecidos, o taquariense Adroaldo Mesquita da Costa foi escolhido para se tornar o novo patrono da academia. “O Adroaldo tem uma contribuição enorme, não só na área literária, mas na social e na política. Tanto que chegou a ser cogitado a Presidente do Brasil”, afirmou Deolí.
Como patrono, Adroaldo dividirá uma das 40 cadeiras da academia com uma das novas escritoras empossadas, Silvana Rossetti  Faleiro, historiadora, professora e escritora na Univates, é Licenciada em História pela Universidade de Caxias do Sul e Mestre em História, com área de concentração em Estudos Ibero-americanos, pela Unisinos.
“Estou muito orgulhosa por estar dividindo a cadeira com esse patrono. Ele atuou em áreas em que eu atuei, então para mim é uma honra”, contou Silvana.
 
Quem foi Adroaldo Mesquita da Costa
 
Natural de Taquari, nascido em 9 de julho de 1894, Adroaldo Mesquita da Costa (foto menor) foi advogado, professor, jurista, jornalista, deputado estadual e federal, Ministro da Justiça e Negócios Interiores do Brasil, de 1947 a 1950, e escritor. Filho de Antônio Porfírio da Costa e de Alzira Mesquita da Costa. Adroaldo ingressou, em 1907, como interno no Ginásio Nossa Senhora da Conceição, em São Leopoldo. Mais tarde, entrou para a Faculdade Livre de Direito de Porto Alegre, diplomando-se em 1917. No ano seguinte, foi promotor público em Taquari, onde se casou em 1919 com Ceci Leite Costa, com quem teve 11 filhos. 
Em 1927, ele retornou a Porto Alegre para servir como Procurador da República.  Em 1928,  lecionou português e história nos colégios Anchieta e Júlio de Castilhos. Foi também professor na Escola Superior de Comércio de Porto Alegre e participou da criação do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, do qual se tornou, mais tarde, presidente perpétuo. 
Após a vitória da Revolução de 1930, foi nomeado membro do Conselho Consultivo do Estado do Rio Grande do Sul. Em 1931, ingressou no Partido Republicano Rio-Grandense. Foi deputado à Assembleia Nacional Constituinte no pleito de maio de 1933, depois foi eleito deputado à Assembleia Constituinte Estadual que promulgou a Constituição do estado em junho de 1935. 
Depois da implantação do Estado Novo, Adroaldo abandonou a atividade política e assumiu a cadeira de Direito Comercial na Faculdade Livre de Direito de Porto Alegre, na qual se manteve até 1942. Três anos depois, elegeu-se deputado à Assembleia Nacional Constituinte de 1945, pelo PSD. 
Ainda deputado federal, foi nomeado ministro da Justiça e Negócios Interiores no governo Gaspar Dutra, cargo em que permaneceu de 1947 até 1950. Cogitado como candidato à presidência da República, deixou o Ministério e retornou à Câmara dos Deputados. Seu nome foi vetado e candidatou-se a deputado federal em 1950, reelegendo-se para o período de 1951 a 1955. No ano seguinte, elegeu-se vereador em sua cidade natal, Taquari, cumprindo mandato até 1959. 
Em 1964, foi nomeado Consultor-Geral da República, cargo que exerceu até 1969. 
Entre março de 1976 e abril de 1977, participou do Conselho Fiscal da Varig, companhia da qual havia sido um dos fundadores em maio de 1927. No ano de 1941, ingressou no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Também foi membro da Academia Rio-Grandense de Letras. Foi membro do conselho da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul e um dos fundadores do Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul. 
Adroaldo Mesquita da Costa faleceu no dia 12 de dezembro de 1985, em Taquari, aos 90 anos. O jazigo encontra-se no Cemitério Municipal. 
Além de Adroaldo, outros taquarienses fazem parte da Alivat: Riograndino Costa e Silva, Zeferino Antônio de Souza Brasil e Lauro Pereira Guimarães, patronos, e são acadêmicos Balduino Goerck e João Paulo da Fontoura.
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por